http://www.betsporting.com.br/

ECONOMIA

CUITEGI

FOTOS

EMPREGOS

Video

Lei - Pavão - PatrimônioO Diário Oficial do Estado da Paraíba publicou, neste sábado (30), a lei nº 10.690 de 29 de abril de 2016, de autoria do deputado estadual Hervázio Bezerra, que reconhece como Patrimônio Imaterial da Paraíba o Cordel Pavão Misterioso, de José Camelo de Melo Resende, nascido no Sítio Pedro Vieira, zona rural de Pilõezinhos (PB).

No artigo 1º da lei, o governador Ricardo Vieira Coutinho (PSB), decretou que fica reconhecido como Patrimônio Imaterial do Estado da Paraíba, o Cordel do Pavão Misterioso, de autoria do poeta popular, cantador, carpinteiro e xilógrafo José Camelo de Melo Resende.

O autor do projeto, deputado Hervázio Bezerra (PSB), disse que foi incentivado a apresentar a proposta pelo vice-prefeito de Pilõezinhos, Iraponil Siqueira, com quem também colheu informações adicionais.

Sobre o Pavão Misterioso

PavãoA obra Romance do Pavão Misterioso é o maior clássico do cordel. Folheto mais vendido em todos os tempos, foi escrito por José Camelo de Melo Rezende no final dos anos 20.

A palavra “romance” no título garante tratar-se de uma narrativa feita nos moldes tradicionais: tem 32 páginas, em versos de sete sílabas ou redondilhas maiores, e sua matéria diz respeito a uma aventura de amor e de heroísmo.

O enredo do Romance do Pavão Misterioso é a aventura de um rapaz, chamado Evangelista, que ao contemplar a beleza de Creuza, donzela conservada prisioneira pelo conde (seu pai), sente-se invadido por um forte desejo: tirar a moça do sobrado do conde e tomá-la como mulher. Evangelista foge com Creuza, ajudado por um pavão mecânico.

O fato de ser mantida reclusa no sobrado, em cuja janela só aparece uma vez por ano, corresponde a um malefício imposto à donzela. A Evangelista cabe salvar a vítima da prisão, reinstaurando a ordem.
A beleza proibida da donzela desperta em Evangelista a vontade de possuí-la; a moça passa a objeto do desejo do rapaz, cujas ações visam à satisfação da carência gerada pelo desejo. O sucesso da demanda empreendida pelo apaixonado restabelece o equilíbrio quebrado pela vontade de posse do objeto.

Logo, a libertação da donzela tanto significa a reparação de um malefício (reclusão) como a eliminação de uma carência (desejo amoroso), a vitória cabendo ao herói. Sendo esses elementos a espinha dorsal da história, pode-se considerá-la como um conto maravilhoso.

Como em muitas narrativas populares, no folheto Romance do Pavão Misterioso, o herói vem de um país estrangeiro e sua história transcorre também numa região longínqua daquela do leitor ou ouvinte. O Evangelista do cordel vem da Turquia e sua aventura tem a Grécia como palco.

A construção do espaço decorre de dados culturais e contribui para conferir à personagem das histórias populares um caráter mágico. Vivendo em paragens remotas ou simplesmente desconhecidas do apreciador da história, ou ainda povoadas de perigos e ameaças, o herói reveste-se de uma natureza próxima daquela das criaturas míticas, habitantes de um espaço e de um tempo distantes.

Alguns heróis populares pertencem a camadas sociais elevadas ou adquirem riqueza e poder no decorrer da história; com esses traços diferenciam-se do cotidiano do homem comum que lhes presta admiração. Assim, o Evangelista do Romance do Pavão Misterioso é um rico herdeiro de “um viúvo capitalista”.

Nesta obra encontramos nítidas influências das celébres “Mil e Uma Noites”.

Simbologia

Qualificado como misterioso, o pavão é uma figura de significados mágicos. Sua presença na titulação não só registra sua participação na aventura, mas adverte quanto aos sentidos míticos do que se narra.

O pavão insere-se numa complexa simbologia. Signo solar, do fogo, da beleza, do poder de transmutação, pela vistosidade de sua plumagem, é também conhecido, mitologicamente, como destruidor de serpentes (seres da obscuridade). Símbolo da paz, da prosperidade, da fertilização, sua morte tem o poder de trazer a chuva. Aparece como montaria em algumas mitologias e na tradição cristã é sinal de imortalidade. Como representação da dualidade psíquica do homem, o pavão conota as forças positivas, por todos os conteúdos que lhe são atribuídos.

Rafael San
3
0 Comentários

Postar um comentário