http://www.betsporting.com.br/

ECONOMIA

CUITEGI

FOTOS

EMPREGOS

Video

Mais uma vez a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da cidade de Guarabira, Rainha do Brejo paraibano, volta a ser notícia na imprensa local por causa da falta de médicos para atender aos pacientes que se deslocam até aquela unidade de saúde em busca de atendimento.
Na tarde desta segunda-feira (14), os pais que foram até a UPA em busca de atendimento pediátrico para seus filhos foram mais uma vez surpreendidos pela falta de profissional especializado na área. Na ausência do pediatra plantonista, o único profissional que ainda estava atendendo era um clínico geral, mesmo assim, segundo relatos de uma mãe que estava com um filho de colo precisando de atendimento urgente, a recepcionista avisou que o médico, identificado como Carlos Alberto, iria atender apenas três crianças e nenhuma mais. 
Quando chegou a vez da senhora Ana Paula, residente em Guarabira, o problema se agravou ainda mais. Segundo ela, o médico a tratou mal e disse que estava ali lhe fazendo um favor, pois ele era clínico geral e não pediatra. Houve uma breve discussão e na sequência chegou outro pai com mais uma criança necessitando de atendimento. O mesmo foi informado de que o médico não iria atender a mais nenhuma criança. 
A confusão se generalizou e a Polícia Militar foi chamada por um dos pais. Com a chegada dos policiais, o coordenador da UPA, Gilson Cândido, também apareceu e tentou acalmar os ânimos. O médico se sentiu prejudicado e resolveu ir até a delegacia prestar queixa.
A equipe da TV Portalmidia esteve no local e conversou com Ana Paula. Ela nos contou como tudo aconteceu, inclusive como foi atendida pelo médico. Nós também procuramos a coordenação da UPA para pedir esclarecimentos sobre o fato, mas no momento fomos informados por um funcionário, de que Gilson Cândido estava ocupado e que mais tarde entrava em contato por telefone para se pronunciar.
Até o fechamento desta matéria (18h57), ninguém havia procurado a editoria do Portal Mídia para falar sobre o caso.
Assista ao vídeo com o depoimento de Ana Paula:
3
0 Comentários