http://www.betsporting.com.br/

ECONOMIA

CUITEGI

FOTOS

EMPREGOS

Video

fuga-495x371 (1)
A direção da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, maior unidade prisional do Rio Grande do Norte, confirmou uma nova fuga de detentos. Segundo o diretor Ivo Freire, a fuga aconteceu na noite desta quinta-feira (10). Ainda não se sabe quantos homens conseguiram fugir. Neste mês, o sistema prisional potiguar completa um ano em estado de calamidade e Cristiano Feitosa, secretário de Justiça e Cidadania, acha que o sistema “melhorou muito pouco”. 

Diretor da unidade, Ivo Freire informou que os presos fugiram por um túnel no pavilhão 4. Um guariteiro atirou quando percebeu a movimentação. Contudo, a direção ainda não sabe quantos homens conseguiram escapar. Uma recontagem será feita na manhã desta sexta-feira (11).

Ainda segundo o diretor, o pavilhão 4 possui cerca de 180 detentos. Ao todo, Alcaçuz tem aproximadamente 1.100 presos. A penitenciária fica na cidade de Nísia Floresta, na Grande Natal.

Fugas em 2016
 
Sem contar com a fuga registrada nesta quinta-feira (10), 121 detentos já escaparam do sistema prisional potiguar neste ano. A última fuga aconteceu nesta terça-feira (8) quando um preso se aproveitou da fragilidade da segurança e fugiu correndo pela porta da frente da Penitenciária Agrícola Dr. Mário Negócio, em Mossoró, cidade da região Oeste potiguar.

Sistema em calamidade
 
O sistema penitenciário potiguar completa um ano em estado de calamidade pública no dia 17 deste mês. O decreto – que segundo a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc) será renovado por mais seis meses – foi necessário após uma série de rebeliões que destruiu boa parte das 33 unidades prisionais mantidas pelo estado. Neste período, o Rio Grande do Norte recebeu o reforço de 200 policiais da Força Nacional e gastou mais de R$ 7 milhões na reconstrução dos presídios depredados. Melhorou ou piorou? Segundo o secretário Cristiano Feitosa, “melhorou muito pouco”.

O secretário fez uma avaliação e disse que “o sistema prisional potiguar possui hoje uma equipe de diretores mais integrada e informações estão sendo trocadas com mais rapidez, mas nesse um ano, mais precisamente no último semestre, a Sejuc está investindo pesado em planejamento e em medidas que vão se concretizar nos próximos seis meses. Então, as mudanças de maior efetividade e repercussão ainda estão por vir”, ressaltou. Atualmente, ainda de acordo com o secretário, o Rio Grande do Norte possui algo em torno de 3.500 vagas para uma população carcerária de 7.500 detentos. “Ou seja, temos um déficit de 4 mil vagas para preencher”, revelou.
3
0 Comentários