http://www.betsporting.com.br/

ECONOMIA

CUITEGI

FOTOS

EMPREGOS

Video

A Justiça argentina condenou o padeiro Gonzalo Martin Lizarralde, de 34 anos, à prisão perpétua pela morte da ex-namorada, Paola Acosta, e por abandonar o bebê de ambos em um bueiro ao lado do corpo da mãe.

Martina, que na época tinha apenas 1 ano e oito meses, foi encontrada na província de Córdoba por moradores que ouviram seu choro. Ela sobreviveu após ser internada com um quadro grave de hipotermia, além de fraturas e infecção decorrente do contato com água poluída.

Pouco mais de um ano após o caso que comoveu os argentinos, um júri popular da província de Córdoba votou por unanimidade pela prisão perpétua de Gonzalo.

Durante o julgamento, ele negou ter matado Paola, que tinha 36 anos, e ter deixado a menina, com ferimentos, no bueiro.

No entanto, o júri entendeu que ele matou a ex-namorada e também o considerou culpado por tentativa de homicídio da filha. A decisão foi anunciada na quarta-feira após quase oito horas de argumentações dos advogados de acusação e de defesa.

Após o veredicto, o pai de Paola, Luis Acosta, disse:”Espero que ele apodreça na prisão. Acho que foi feita justiça pela minha filha, que ela agora descanse em paz e que minha neta Martina possa crescer e caminhar na rua livremente”.

Desde que foi encontrada chorando no bueiro, Martina mora com a família da mãe. Paola tinha outros dois filhos do primeiro casamento, que moravam com ela até a noite em que saiu com a filha para se encontrar com Gonzalo para receber a pensão alimentícia da menina e não voltou mais.

Elas tinham desaparecido no dia 17 de setembro do ano passado e somente no domingo, 21, foram localizadas porque moradores ouviram o choro da criança. Segundo a polícia local, Martina passou mais de oitenta horas naquele local.

Depois de localizada, ela foi hospitalizada e foi internada em terapia inensiva até ter alta 11 dias mais tarde.

De acordo com organizações dedicadas ao assunto, Paola foi a 10ª vítima fatal de violência de gênero na província de Córdoba neste ano.

A presidente da ONG Casa del Encuentro, Ada Rico, que auxilia vítimas deste tipo de violência, disse à BBC Brasil que 1.256 mulheres foram vítimas fatais de violência de gênero entre 2008 e 2013 na Argentina.

“O caso de Paola não foi o pior que já vimos, mas, sem dúvida, o que nos causou a todos uma forte comoção pela crueldade. Crueldade de como ela foi deixada (morta) e de sua filhinha deixada durante horas em um bueiro. Foi crueldade demais”, afirmou Rica.

BBC
3
0 Comentários